Surto de rotavírus deixa quatro mortos no Estado e MS investiga casos no Juruá

Cezar Negreiros

Acre registrou quatro mortes em decorrência de um surto de rotavírus no interior, sendo um óbito confirmado em Feijó, outro em Tarauacá e dois casos suspeitos que estão sendo investigados nas aldeias indígenas. A coordenação do Distrito Sanitário Especial Indígena do Alto Juruá (Dsei) esclareceu que não registraram nenhuma morte nas aldeias assistidas pelas equipes de saúde itinerante. Admitiu casos de diarreia nas aldeias que ficam próximas das cidades de Feijó, Tarauacá, Jordão, Cruzeiro do Sul e Mâncio Lima, mas nenhum caso evoluiu para morte.

De acordo com o chefe do Departamento de Vigilância em Saúde (DVS) Gabriel Mesquita, uma equipe do Ministério da Saúde (MS) está na região do Vale do Juruá em busca de identificar a causa deste surto que já atingiu 19 municípios acreanos. Destacou que a maior preocupação é com a incidência que persiste nos municípios de Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima e Rodrigues Alves. “Estamos recomendando as Secretarias Municipais de Saúde (Semsa’s) distribuírem hipoclorito de sódio para controle dos casos isolados registrados nas comunidades”, revelou.

Desde o mês passado que a Secretaria Estadual de Saúde do Acre (Sesacre) vem acompanhado o surto no interior do estado. O último levantamento apontava para quase 20 mil casos, com estado de alerta em 11 municípios pelas equipes do Núcleo das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar (NDTHA). Cruzeiro do Sul, Marechal Thaumaturgo, Rodrigues Alves, Tarauacá, Feijó, Jordão, Santa Rosa, Senador Guiomard, Capixaba, Epitaciolândia e Assis Brasil, estão em estado de alerta por conta do aumento dos casos de diarreia. Somente no mesmo período do ano passado foram contabilizados 13,5 mil casos, segundo balanço da DVS.

A rotavirose se manifesta em forma de diarreia com aspecto aquoso com cheiro de ovo podre, seguido de vômitos e febre alta que pode durar de 8 a 10 dias. A recomendação é o uso de medicamentos prescrito pelo profissional de saúde, acompanhado do consumo de líquidos para controle da desidratação.