Segurança fecha o cerco na caçada ao bando que roubou caminhonetes e fez reféns no Deracre

As Forças de Segurança ainda estão procurando pistas do bando armado que invadiu a sede do Deracre, na noite de segunda-feira, roubou três caminhonetes Mitsubishi e levou sete reféns, depois regatados na estrada AC-10 na zona rural de Porto Acre. A Secretaria de Segurança acionou as demais Forças Policiais do Acre e a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a Secretaria de Segurança do Estado de Rondônia e a Força Policial boliviana, no sentido de ampliar o cerco aos assaltantes.

As buscas são intensas e um aparato policial está montado nas principais estradas que partem de Rio Branco.

Ao mesmo tempo, a Secretaria de Justiça e Segurança Pública vai fazer reunião, amanhã, com todos os titulares de secretarias e órgãos governamentais para reiterar a necessidade do uso de Sistema de Monitoramento Veicular, já disponibilizado pela Sejusp, que dificulta a execução e facilita a prevenção e repressão aos crimes contra o patrimônio.
As câmeras de monitoramento da superintendência da Polícia Rodoviária Federal identificaram a passagem dos três veículos pelo entroncamento das Quatro Bocas na rodovia BR-364 (no trecho Rio Branco/Porto Velho), por volta das 22 horas da noite de segunda-feira, na direção da Ponta do Abunã (no estado de Rondônia).

Na ação contra o Deracre, os criminosos levaram como reféns, o presidente do departamento, Petrônio Antunes, a secretária de gabinete Sula Ximenes, um segurança, quatro servidores e o empresário Francisco Salomão. As vítimas ficam detidas na mata por seis horas, enquanto os outros membros do bando levaram as caminhonetes pela BR-364. Em depoimento, as vítimas contaram que estavam no prédio do Deracre, localizado na Via Chico Mendes (no Segundo Distrito), por volta das 20 horas da noite.

Em seguida, foram surpreendidos por um grupo de criminosos que adentraram o local, fortemente armados para anunciar o assalto. Sob a mira dos criminosos, eles foram obrigados a entrar nas camionetes que estavam estacionadas nas imediações do prédio.

Planejamento

As três camionetes L200 roubadas estão avaliadas em mais de R$ 600.000,00. Elas foram repassadas ao estado em outubro do ano passado por meio de um convênio assinado com o Ministério da Defesa. Na época foram entregues 06 camionetes. Atualmente elas têm menos de 9.000 quilômetros rodados. A Polícia considera que houve planejamento prévio e informações privilegiadas, pois os bandidos já sabiam quais veículos levar.

A Secretaria de Segurança considera que as camionetes constituem boa moeda de troca por drogas na fronteira. As quadrilhas estão se especializando em furtar e roubar esses veículos, inclusive do poder público. No ano passado uma camionete foi furtada da Secretaria de Agricultura, e outras duas da prefeitura de Plácido de Castro.

No ano passado a secretaria de segurança ofereceu um sistema de monitoramento dos veículos para as mais de 30 secretarias de estado, apenas 7 instalaram os rastreadores, que ficariam interligados com o sistema de segurança pública.