Revisão do ZEE ajudará agricultores a investirem

Cezar Negreiros

Os empresários do setor do agronegócio que pretendem investir na região da Amazônia Ocidental, agora podem contar com o auxílio do novo Zoneamento Ecológico-Econômico do Acre (ZEE/AC). Os pesquisadores estão atualizando as áreas que já foram desmatadas para a atividade da pecuária extensiva, mas que podem ser aproveitadas no cultivo das culturas da soja e do milho.

Os municípios de Porto Acre, Senador Guiomard, Plácido de Castro, Acrelândia e Capixaba, despontam com um grande potencial para essas duas atividades econômicas. Além de contribuírem para ampliação da fronteira agrícola no estado do Acre.

Os pesquisadores do governo estadual e federal, com apoio dos técnicos dos municípios trabalham intensamente no zoneamentos pedoclimáticos para auxiliar os produtores agrícolas, inclusive apontando os melhores locais para as atividades monocultoras. Sem previsão de divulgação do resultado definitivo do mapeamento que vem sendo revisado pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema)

De acordo com o pesquisador Efran Amaral, chefe da Embrapa/Acre, a terceira etapa do ZEE/AC começou em 2017, mas com previsão de encerramento dos trabalhos de geoprocessamento até o fim do ano. Esta última etapa busca estabelecer o ordenamento da zona prioritária para o ordenamento territorial das áreas detalhadas sobre a base fundiária.

O trabalho integrado contribuiu para atualizar a base de desmatamento, juntamente com a base fundiária, que contribuiu para a redução da Zona 3, em mais de 50%, pois estas áreas em questão, já estavam inseridas nas Zona 1 e Zona 2. “Acreditamos que o ZEE/AC associada ao ZEAS do município de Rio Branco podem direcionar investimentos e reduzir perdas”, observou o pesquisador.