Predominância da variante delta no Estado é questão de dias

Cezar Negreiros

O médico biologista Andreas Stocker, gerente /técnico do Centro de Infectologia Charles Mérieux, prevê que a nova variante Delta (indiana) esteja circulando no estado, mas acredita que os jovens e adolescentes que contaminados estão assintomáticos por conta da vacinação. Estima que nas próximas semanas pode falar com mais segurança da chegada da terceira onda no Acre, porque as pessoas que não foram vacinas devem buscar atendimento nos unidades de referência ao tratamento da covid-19. “Registramos uma morte de covid-19 no último feriado no Hospital Regional do Juruá de um paciente que não tinha sido vacinado, o óbito acende o sinal de alerta”, revelou.

Observou que casos com sorologia positiva para convid-19 reduz semana, a semana por conta da cobertura vacinal dos últimos meses. Destacou que a transmissão comunitária da va-riante indiana chegou na primeiro na região Nordeste, depois passou para a região Sudeste e Centro-Oeste, a o estado de Rondônia começou registrar casos da nova variante que dissemina com mais velocidade. Começa com uma simples secreção das vias respiratórias, em outros casos com dores de colunas, “mais o vírus mutante apresenta uma evolução repentina e o paciente precisa de internação”, observou.

A secretária estadual de Saúde, Paulo Faria Mariano em entrevista concedida a imprensa, informou que ainda não receberam o resultados das amostras encaminhadas ao Instituto Evandro Chaga (em Belém) para sequenciamento da variante circulante na capital acreana. Cerca de 12 casos diagnosticados no município de Rio Branco e um de um paciente idoso que estava passando férias no Rio de Janeiro, o epicentro da terceira onda da pandemia, aguardam o resultado sorológico. Uma pessoa da rede de contato do paciente procedente da região Sudeste, testou positiva para covid-19 e foi submetido ao rastreio da variante Delta.