Operação da PF atinge Marechal Thaumaturgo, Cruzeiro e Rio Branco

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (7), a Operação Sand Castle (castelo de areia) em Cruzeiro do Sul, Marechal Thaumaturgo e Rio Branco. O objetivo é combater crimes de fraude à licitação, desvios de recursos, lavagem de dinheiro, organização criminosa e estelionato previdenciário no município de Marechal Thaumaturgo/AC, região do Vale do Juruá.

Mais de R$ 100 mil foram apreendidos durante a operação

A PF informou que a investi-gação teve início em 2020, após o Tribunal de Contas do Estado Acre (TCE) informar que uma construtora, cuja sócia-administradora figurava como beneficiária do Auxílio Emergencial, apresentava características de empresa de fachada. A partir dessa informação foram encontrados Indícios que apontavam para a constatação de que a firma fora criada com o intuito de fraudar licitações públicas e ocultar esquemas de desvios e lavagem de dinheiro.

“Durante os trabalhos de investigação a polícia descobriu que empresários, servidores públicos e laranjas utilizavam a constru-tora e outras duas empresas para direcionar licitantes vencedores por meio de fraude na entrega dos documentos, promovendo uma espécie de rateio das con-tratações entre as empresas participantes”, diz nota da assesso-ria de imprensa da PF.

No ano de 2020 foi pago o total de R$ 1.646.918,15 à empresa que não possuía sede, um único funcionário registrado e cuja sócia-administradora, além de receber Auxílio emergencial, é beneficiária do Programa Bolsa Família, do governo federal, o que a caracteriza como laranja.

Sob autorização judicial, os dados bancários e fiscais dos envolvidos foram analisados, identificando-se entre os integrantes da organização criminosa um vice-prefeito e um vereador, que se utilizam de laranjas para movimentar os recursos provenientes da prática dos crimes. A Polícia Federal não identifica os investigados por nomes.

“A Operação Sand Castle teve por finalidade apurar a contratação de empresas que, embora legalmente constituídas, não contam com estrutura física e logística para implementar obras no município, ou seja, empresas de fachada, que ganharam o certame licitatório por meio de fraude à licitação, com objetivo de lavar dinheiro proveniente do desvio de recursos públicos, ocultando a verdadeira identidade dos sócios e causando prejuízo de mais de seis milhões de reais ao município de Marechal Thaumaturgo, somente nos anos de 2017 a 2021”, diz ainda o texto da PF.

Foram cumpridos 23 mandados judiciais de busca e apreensão, sendo 15 na cidade de Marechal Thaumaturgo, 7 no município de Cruzeiro do Sul e um em Rio Branco. Foram mobilizados 50 policiais federais na execução da referida operação policial.