Mudança de sede da Câmara vai parar no MPE

A mudança da sede da Câmara de Vereadores de Rio Branco foi parar no Ministério Público. A ouvidoria do MP recebeu vários documentos, onde o proprietário do prédio onde atualmente está a sede da Câmara, no bairro 6 de Agosto, denuncia gasto excessivo por parte da mesa diretora no aluguel de outro imóvel. Só para montar o plenário serão gastos R$ 400 mil, diz a denúncia.

O novo prédio, no bairro bosque, está sendo preparado para, em maio, já receber os funcionários e os vereadores. Atualmente a Câmara paga R$ 53.000,00 de aluguel. Em janeiro desse ano, o presidente N. lima, anunciou que tinha encontrado novo imóvel por R$ 33.00,00, um valor bem abaixo do cobrado atualmente. Acontece, que, segundo a reclamação, o prédio novo tem instalações mínimas para o bom funcionamento do parlamento faltando espaço para a administração da casa.

Presidente da Câmara, vereador N. Lima: mais economia

Para o Ministério Público o denunciante chegou a afirmar que em menos de 30 dias foi feito todo o processo de locação, por isso quer uma investigação comparando o tamanho de cada imóvel, as instalações, localização, acessibilidade, sinalização e segurança.

Tem ainda o gasto para adaptação do novo prédio. Segundo a denúncia serão gastos R$ 400 mil para a montar o plenário e ainda tem custo com as instalações elétricas de computação e a mudança.

Para o presidente da mesa diretora, vereador N. Lima, no final do contrato a economia que será feita com a redução do valor do aluguel valerá a pena, e todas essas informações serão repassadas ao ministério público. “Tentamos negociar para ficar no prédio, mas o valor é o dobro do imóvel que conseguimos. Ele pode falar o que quiser, o importante é que o contrato acabou e resolvemos mudar para economizar”, defendeu.

Quando decidiu mudar a locação do prédio, havia a informação de que o novo prédio abrigaria também os gabinetes dos vereadores. Já se sabe que não será possível. Cada parlamentar vai continuar recebendo R$ 1.600,00 por mês para alugar um escritório, e, enquanto não faz a mudança, a Câmara paga os dois alugueis: Do prédio atual e do futuro, um custo mensal de R$ 86.000,00 por um período de 4 meses.