Coluna Bom Dia

As uvas verdes

A oposição política, pega no contrapé com o tamanho do abono concedido aos profissionais da Educação, para não passar recibo, passou a defender teses ao arrepio da lei do Fundeb para justificar uma possível negação do alcance da medida do governo. E tome criatividade. Não podendo tirar proveito do abono, faz como a raposa da fábula e alega que as uvas estão verdes.

O mais justo?

Por exemplo, o deputado Edvaldo Magalhães, do PC do B alegou que o certo, o correto seria dar o abono a todos. O senador Sérgio Petecão entrou na mesma onda. Poderia até ser o mais certo, mas não é o que diz a lei. Ela estabelece claramente quem pode ou não receber os 70% do Fundeb. Não há exceção e nem a possibilidade de uma “interpretação mais ampla”, quando a própria lei estabelece limites.

Falso

O deputado Daniel Zen (PT) foi além e alegou possível alteração da Lei do Fundeb, em relação à Lei de Diretrizes e Bases que simplesmente não existe. Ou seja, a alegação do deputado, que justificaria a extensão do abono é carente de veracidade. Pode parecer errado agora, mas foi assim que a lei foi apresentada, votada e aprovada, inclusiva com os decisivos votos dos partidos de esquerda. E a lei, dentro do possível, é boa.

Sem manobras

Importante notar que o governo e a secretaria de Educação não fizeram nenhum tipo de manobra extralegal para diminuir o valor do abono. Havia uma sobra de R$ 161 milhões e foi integralmente repassada aos que tinham direito, chegando aos expressivos R$ 16.609 mil.

Lá e cá

Para se medir o tamanho desse benefício, em Porto Velho, o prefeito Hildon Chaves anunciou ontem o valor do abono local: R$ 2.200,00. E a prefeitura da capital acreana, nem isso anunciou. O prefeito está sentado em cima da verba.

Procurador

O procurador geral do Estado, João Paulo Setti, se reuniu com representantes da casa Civil e professores para explicar quem tem ou não direito ao abono. Sem pirotecnia, sem invenções. Apenas a interpretação legal. Ainda sinalizou que pode haver pagamento para pessoal de apoio com cursos técnicos ou superiores, o que vai ser uma pauta do governo. Mais que isso é sonho.

Manifestação

A manifestação do pessoal de apoio era esperada e compreensível. Serve como pressão para que o governo estude alguma forma de compensação, que pode ser o abono de R$ 5 mil aventado. Já seria uma conquista.

Origem

A origem do problema é a lei federal que impede reajuste de salário de servidores. O governo federal não valoriza o funcionário público, anunciou reajustes no próximo ano, para categorias específicas, de policiais e bombeiros. E só. O resto que se vire para aguentar o aumento da carne, da luz e do gás.

História

Para dar uma freada no ímpeto crítico da oposição, basta lembrar o comportamento dos governos do PT quanto ao pagamento do VDP, abono a que os trabalhadores em Educação têm direito. Jorge Viana e Binho Marques pagaram religiosamente. O segundo governo de Tião Viana atrasou e no final deixou de pagar dois anos, caindo a responsabilidade no atual governador, que pagou sua parcela e mais as atrasadas do governo anterior.

Greve

Os médicos e trabalhadores em Saúde do Estado ameaçam parar hoje. Os do município mantêm, a greve, dentro dos limites da decisão judicial. Mais uma vez, a causa é a limitação da lei federal.

Planejamento

Como o setor empresarial do Acre está reagindo à perspectiva de mais de R$ 1,2 bilhão em circulação só de salários e abono do governo do estado neste fim de ano? Com o pagamento de novembro acontecendo em plena Black Friday? Tem que haver um planejamento para que esse dinheiro circule no estado e que não seja levado por compras online, que não vá para a China via Shopee e outros sites de compra. É hora da inteligência empresarial.

Armamento

Policiais que integram a Operação Vigia, na fronteira recebem veículos, armamento e equipamento de ponta. Destaque para os mais modernos óculos de visão noturna, coisa de filme de Hollywood. Mais kits médicos para primeiros socorros em plena selva. Enfim, mais valorização para esses esforçados lutadores pelas fronteiras brasileiras, tão desguarnecidas.

Para o Acre

Para o Acre, serão São 14 viaturas, 15 óculos de visão noturna, 15 capacetes, 51 placas balísticas e 127 kits de atendimento pré-hospitalar tático. Ainda insuficiente, mas inegavelmente, um avanço.

Covid

A Organização Mundial da Saúde emitiu alerta de uma possível 4° onda de Covid que já estaria acontecendo na Europa, especialmente entre os não vacinados. Uma seita e movimento filosófico na Áustria e Alemanha se posiciona contra as vacinas, por acreditar que a doença é causada por “carma” da humanidade e influencia o negacionismo. E a pandemia segue matando.

Escolas

Chega a notícia que, em Cruzeiro do Sul, duas escolas, não se sabe se estaduais ou municipais, suspenderam as aulas por conta do aparecimento de casos da Covid. Preocupante.

Relações Públicas

A produção do show milionário do cantor Gusttavo Lima faz uma boa ação de marketing ao anunciar o sorteio de entradas para quem estiver vacinado. Como se isso compensasse a aglomeração de 15 mil pessoas. Mas não deixa de ser uma ação simpática e mobilizadora.

Alerta

E as autoridades sanitárias alertam para o perigo que podem representar o réveillon e, principalmente, o Carnaval, para o ressurgimento da doença. Está feito o alerta.

Conflito

E continua em alta voltagem o conflito entre o senador Marcio Bittar e o ex-senador e candidato Jorge Viana. Agora, além da troca de farpas e acusações, o senador Bittar quer processar JV, exatamente o que o petista deseja. Quanto mais bate-boca, mais ela aparece nas mídias, nas redes e nos meios políticos.

Aviso

Alguém precisa avisar o senador Marcio Bittar que sua estratégia de confronto, pondo sua cara e escondendo a de sua ex-esposa candidata, só dá mais holofotes para Jorge Viana, que mostra que sabe tudo e ais um pouco de política e surfa nessa onda.

Mal na fita

Nos meios políticos de Brasília, não pegou bem a confusão armada pela deputada Mara Rocha na votação do PSDB. O barraco é sempre um péssimo método de divulgação. Muita gente acredita que ela queimou o filme, especialmente porque não mostrou nenhuma prova da suposta tentativa de compra de seu voto.

Deracre

Enfrentando chuvas, atoleiros que começam a se formar, o Deracre mantém e amplia o ritmo das obras em todo o Estado. A Estrada da Variante em Xapuri é um bom exemplo do trabalho diuturno e de qualidade que o Deracre supervisiona nos munícipios.

Notícias relacionados