Coluna Acre em Foco

Abalo sísmico

Ganhou destaque na mídia nacional e internacional a notícia do novo abalo sísmico no Peru, registrado às duas horas e 17 minutos de ontem, a 94 Km do Norte da região peruana de Macusani, que teve força para ser sentido nas cidades acrianas de Assis Brasil, Brasileia e Epitaciolândia.

 

5 graus de magnitude

Segundo o noticiário, o novo tremor atingiu 5.0 graus de magnitude e foi considerado de intensidade moderada, com profundidade entre 10 e 50 quilômetros. A mídia registrou que, apesar do susto, as autoridades do Acre informaram que não houve nenhum registro de feridos ou de danos causados pelo terremoto.

 

Prisão de foragido

Outro destaque do Acre na mídia nacional foi o cumprimento do mandado de prisão em Juína, no Mato Grosso, do homicida Josué Silva de Souza, de 41 anos, que era considerado foragido da Justiça do Acre. Ele foi preso com a ajuda do Núcleo de Inteligência da Polícia Civil mato-grossense.

 

Contatos policiais

A prisão aconteceu após a Polinter do Acre entrar em contato com o Núcleo de Inteligência da Polícia Civil do Mato Grosso, informando que o foragido estava morando em Juína. Com o mandado de prisão e foto do foragido, os policiais iniciaram um trabalho investigativo e conseguiram prendê-lo.

 

Menos haitianos

O Portal G1, da Globo.com, destacou ontem que o Acre tem deixado de ser a principal rota para entrada de imigrantes haitianos no país desde que o Brasil ampliou a emissão de vistos pelas embaixadas em Porto Príncipe (Haiti), Quito (Equador) e Lima (Peru), causando no ano passado a queda de 96% no número de haitianos que chegaram pelo estado.

 

Redução ampla

Segundo informou ao portal a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do Acre, enquanto em janeiro do ano passado houve o registro de 1.393 imigrantes, em dezembro do mesmo ano esse número despencou para 54. O Itamaraty informou que a emissão de vistos a haitianos subiu 1.537% de 2012 a 2015.

 

Entrada regular

Segundo o portal, os números mostram que os imigrantes haitianos têm entrado no país regularizados por capitais como São Paulo e Rio de Janeiro, em vez de fazer a longa e cara viagem para entrar ilegalmente pelo Acre enfrentando a exploração dos muitos coiotes que atuavam na rota entre o Haiti e a fronteira acriana.

 

Cunha se complica

Complicou-se ontem ainda mais a situação do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acusado de corrupção pelo Ministério Público Federal e de retardar o seu julgamento no Conselho de Ética da casa, onde responde por processo de cassação por quebra do decoro parlamentar.

 

Pedidos de propinas

A mídia nacional publicou que uma série de mensagens trocadas entre Eduardo Cunha e o ex-presidente da construtora OAS, Léo Pinheiro, mostra, em várias ocasiões, o deputado peemedebista cobrando do empreiteiro repasse de dinheiro tanto para ele quanto para alguns de seus aliados políticos.

 

Lava Jato

As dezenas de mensagens trocadas entre os dois foram apreendidas no celular do ex-dirigente da empreiteira e fazem parte das investigações da Operação Lava Jato, da qual Cunha foi denunciado pela Procuradoria Geral da República (PGR) por suposto envolvimento no esquema de corrupção que atuava na Petrobras.

 

Afastamento

A Polícia Federal aponta que Eduardo Cunha e Léo Pinheiro tiveram 94 encontros, ligações ou algum outro tipo de contato entre 2012 e 2014, com 35 pedidos, solicitações, cobranças ou agradecimentos. A descoberta fortalece ainda mais o pedido de afastamento de Eduardo Cunha da presidência da Câmara, feito ao Supremo Tribunal Federal pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Notícias relacionados