Cheia no Peru já deixa mais de 90 mortos, acreanos ajudam

Passando por uma das maiores catástrofes da sua história, a cheia no Peru que vem resultando em avalanches e inundações já deixaram mais de 80 mortos, 20 pessoas desaparecidas e mais de 700 mil pessoas atingidas.

cheia2-(1)

A situação mais complicada está ao Norte de Lima, capital do Peru, são avalanches de pedras e comunidades inteiras isoladas com a subida dos rios às estradas. Para amenizar essa situação e ajudar no que pode, o grupo de Bombeiros Civis brasileiros está no Peru para apoiar no resgate das vitimas.

A equipe brasileira é composta por bombeiros civis do estado do Acre que integram o Comitê de Busca e Resgate da Ajuda Humanitária. São profissionais capacitados no auxilio de vitimas de catástrofes.

Esse grupo é a única unidade brasileira em atividade de apoio aos peruanos. De acordo Presidente da ASBOMACRE (Associação de ajuda humanitária bombeiros civis do Acre), Almerito Melo, a dispocisão de ajudar as vitimas da catástrofe partiu dos próprios bombeiros que em ação conjunta e apoio de empresários locais conseguiram se deslocar até o Peru, onde foram integrados ao 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros peruano.

cheia3 (1)

Ao todo, integram a equipe brasileira, oito homens e quatro mulheres, que estão no Peru ainda sem nenhum apoio oficial do governo brasileiro. “Solicitamos que o governo brasileiro se sensibilize e faça sua parte no apoio de nossos vizinhos peruanos, ajudando nosso grupamento a ampliar o apoio desenvolvido aqui”, falou Almerito Melo.

Atualmente a equipe está na capital, Lima, onde aguardam para seguir aos locais mais afetadas. Inicialmente o trabalho fundamental é levar comida e água para as comunidades isoladas, porém ainda existe de resgate de feridos e busca por desaparecidos.

Nesta segunda-feira (27) foi realizado diligencias à comunidades em situação de risco. Os trabalhos continuam. Com informações Acre ao vivo.