A nova aposta de Tite: Neymar e Gabigol

OPÇÃO DA COMISSÃO Brasil encara o Equador investindo no ataque: artilheiro do Fla será titular pela primeira vez com Tite

A seleção brasileira vem dando as cartas nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo do Catar, em 2022. Ganhou seus quatro jogos com autoridade e é a única com 100% de aproveitamento. Hoje, às, 21h30, no Beira-Rio, em Porto Alegre, os comandados de Tite defendem a campanha perfeita diante do perigoso Equador. Gabriel estreia como titular sob a direção do treinador.

Foram 199 dias de espera. Desde os 2 a 0 sobre o Uruguai, em novembro. O retorno da seleção brasileira aos gramados pode iniciar o ciclo de Neymar como armador e de Gabriel como camisa 9. O astro da seleção já vinha se destacando como “garçom” no Paris Saint-Germain e pode ser deslocado para a função, vindo com força de trás para servir Richarlyson e Gabriel. Lucas Paquetá seria o segundo armador.

A ideia de Tite é que o quarteto ofensivo se movimente bastante para não esbarrar na forte marcação dos equatorianos e, ao mesmo tempo, ceder contragolpes a um rival que fez 6 a 1 na Colômbia e 4 a 2 no Uruguai. A única derrota veio na estreia com apertado 1 a 0 para a Argentina.

O treinador usou até TV nos treinos na Granja Comary justamente para “ensinar” seus atacantes o que era preciso para furar o poderio defensivo.

Em alta no Flamengo e anotando muitos gols ao tirar do marcador e finalizar com velocidade, Gabriel é visto como o cara certo para tal postura escolhida. E chega num momento propício, pois está em alta no clube com seus 15 gols na temporada e a seleção vem se destacando ao anotar três gols por jogo na média.

Jogar contra defensores equatorianos não é novidade para Gabriel. Ele enfrentou a LDU pela Libertadores recentemente e fez dois gols em Quito. Já sabe, portanto, o caminho para brilhar e mostrar a Tite que pode se firmar na posição de centroavante. Ainda mais com Gabriel Jesus na reserva do Manchester City.

Apesar de o Equador vir bem na atual edição das Eliminatórias, ganhando três de seus quatro jogos, quando enfrenta o Brasil, a história muda. São apenas duas vitórias em 32 confrontos, com 26 vitórias verde-amarela e quatro empates.